segunda-feira, 22 de junho de 2015

Curso de formação da Polícia Militar terá duração de 12 meses


A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) terá um curso de formação de 12 meses a partir de setembro. Em vez de sete meses de aulas, os novos policiais passarão por dez meses de formação teórica e mais dois meses de estágio supervisionado. O currículo foi ampliado de 27 disciplinas, com 1.084 horas de aula, para 32 matérias em 1.437 horas.

Segundo a corporação, o objetivo é que os novos policiais minimizem as chances de conflito. As aulas terão novos módulos de policiamento de proximidade, administração de conflitos, treinamento de tiro para defesa pessoal/uso comedido da força e uso de tecnologia não letal. Alguns casos reais também serão debatidos em sala de aula.

Os alunos treinarão em uma sala virtual de Tomada de Decisões, onde as aulas são ministradas em três telões de 180 graus, com cerca de 50 situações reais. As silhuetas humanas usadas nos treinamentos serão substituídas por alvos geométricos, com foco no uso de equipamentos não letais. Também foi anunciado que toda a tropa portará esse tipo de armamento, como cassetetes, arma de choque e algemas.

Esse treinamento também será oferecido aos policiais mais antigos da corporação. No Estado do Rio, serão criados oito núcleos para capacitação do uso progressivo da força, e os cursos deverão ser realizados pelo menos uma vez ao ano.

Um comentário:

  1. Obviamente que ninguém pode deixar de se importar com a morte de uma pessoa, mas o caso Amarildo já ultrapassou todos os limites do aceitável. Uma única pessoa que morreu não pode ter merecimentos maiores do que milhares de outras pessoas que também foram assassinadas no Rio, independente de quem matou ser policial ou bandido. Milhares de outras pessoas foram assassinadas e outras são assassinadas no Rio todos os dias, apenas o caso Amarildo merece ter prioridade nas manchetes de jornais e TVs. Apenas Amarildo merece justiça. Apenas Amarildo merece investigação e com tecnologia avançada. Todas as outras pessoas assassinadas no Rio de Janeiro são tratadas como lixo e todo merecimento é dado a Amarildo.

    Os políticos que insistem nesse único morto, precioso e lucrativo, vão quando lutar pela diminuição da violência no Rio de Janeiro? Perseguem tanto os Policiais Militares, vão quando lutar contra todos os tipos de violência na cidade, independente de quem a pratique? Por que odeiam tanto a Polícia? Teriam algum envolvimento ou recebem algum favorecimento criminoso? Nesse caso, Amarildo é cortina de fumaça para abafar pilantragens?

    Tem uma semana que o Ministério Público entregou as alegações finais do caso Amarildo, quase 400 páginas, conseguiram provar sabe o que? Ninguém prova nada. Absolutamente nada! Agora a promotora do caso aparece no Jornal Nacional inventado um volume em um espaço do carro do BOPE. Imagens que não são novas, existem e ela tem conhecimento desde julho de 2013. Por que ela quer esse alvoroço agora? Quer aparecer, ter destaque, fazer nome? Recebeu algum pedido especial de alguém para criar essa nova confusão? Ganhou o que?

    Quantas pessoas do BOPE ela indiciou? Ninguém? Se tinha indícios reais, por que não indiciou? Agora a função de promotores é criar oba oba na mídia e ouriçar a sociedade inteira contra a polícia? Onde estamos? O que é feito dos nossos impostos? Ninguém nos respeita mais? O Ministério Público tem por obrigação promover a justiça e não promover pessoas aos cargos de celebridades do jornal das oito.

    Lembrando que várias perícias foram feitas nas viaturas e carros do BOPE, o que encontraram?Nada! Absolutamente nada! Lembrando que o vídeo exibido no Jornal Nacional nada mostra e o jornalista ainda tem a cara de pau de dizer que o vídeo velho era uma novidade, como se fosse contar uma grande fofoca em rede nacional.

    Qual o interesse por trás dessa palhaçada toda? Tantos outros foram mortos por policiais, por bandidos, pelo marido, pelo vizinho e nenhum desses oportunistas pilantras quer investigar por que? Por que só Amarildo é interessante? Qual lucro essas pessoas têm de acusar uma infinidade de policiais de terem matado um único homem e ficar promovendo essa mesma ladainha dia e noite na imprensa? Por que Amarildo é mais importante do que toda e qualquer outra pessoa na cidade do Rio? O que ganham ou escondem usando a morte desse homem, se é que esse homem morreu mesmo?

    São cafetões de um homem morto, e recebem qual paga por isso? Qual interesse em lutarem tão arduamente para colocar a população contra a polícia? São dezenas de comunidades no Rio, em nenhuma outra ninguém morreu? Por que ninguém investiga assassinos de policiais e de trabalhadores? Tem coisa cheirando muito mal!

    ResponderExcluir