sábado, 8 de agosto de 2015

A violência interfere no equilíbrio emocional dos policiais e compromete o desempenho da tropa que deveria garantir a segurança

FONTE: ISTOÉ

Cenas de descontrole policial seguidas de extrema violência são praticamente diárias no noticiário nacional. Mas esse desequilíbrio não é uma exceção nos quadros da lei. Novas pesquisas feitas por várias instituições do País mostram uma realidade cada vez mais concreta: os homens e mulheres que deveriam resolver conflitos nas perigosas ruas brasileiras, e que possuem armamentos para fazê-lo, são mais mentalmente instáveis do que o restante da população. O convívio diário com o risco de morrer e com o que há de pior na sociedade moldam soldados psicologicamente abalados, cuja saúde mental está em frangalhos e que possuem até sete vezes mais chances de se suicidar do que as demais pessoas. Nas áreas mais afetadas pela criminalidade do Rio de Janeiro, por exemplo, o índice dos policiais sofrendo alguma forma de perturbação psíquica alcança 70%. E esse índice pode ser transportado para as outras metrópoles brasileiras, afirmam peritos em segurança.

ANGÚSTIA
PMs têm dificuldade em admitir problemas e procurar ajuda

De acordo com especialistas ouvidos por ISTOÉ, agentes das forças de segurança que padecem de problemas psicológicos são um risco para si mesmos e para a população que deveriam proteger, pois quanto mais abalados psiquicamente, mais violentos ficam. Vide o mais recente relatório da Anistia Internacional, que classifica o Brasil como um dos países onde a polícia mais mata no mundo. “Qualquer pessoa que não esteja bem emocionalmente pode ter desvio de conduta por conta disso”, diz a pesquisadora do Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Patricia Constantino. “Eles querem superar o medo demonstrando mais força”, afirma o chefe do Estado-Maior da PM fluminense, coronel Róbson Rodrigues.

Em pesquisa que será lançada no mês de setembro, o Laboratório de Análise da Violência (LAV) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) mostra a sombria consequência da instabilidade mental nos quartéis. No estudo, realizado com 224 militares de 18 batalhões fluminenses, incluindo forças de elite como o Bope, 10% já haviam tentado se matar e outros 22% tinham considerado a possibilidade. Ou seja, 1 em cada 3 policiais participantes flertou com o suicídio. Esses homens costumam ser das patentes mais baixas, relatam insatisfação no serviço e apresentam dificuldades sono. A maioria fez a tentativa à bala. “O policial em situação de vulnerabilidade não deveria poder portar arma, porque ele mata mais e atenta contra si mesmo”, diz Dayse Miranda, que coordenou o levantamento. Boa parte não planeja o ato e age por impulso, com o revólver à mão. Em 2009, PMs tiraram a própria vida sete vezes mais do que a média da população do estado.

ADRENALINA
Os policiais que mais apresentam distúrbio são aqueles que
exercem a profissão há pelo menos dez anos

Dayse Miranda prepara para o segundo semestre um estudo feito em parceria com o Ministério da Justiça abrangendo as 27 unidades federativas. Os dados ainda não estão prontos, mas os números de suicídios policiais devem ser elevados. “No Brasil, você vê um padrão que se repete. Seja nas patentes, no tempo de serviço, na valorização. A insatisfação está altamente associada ao comportamento suicida”, diz. Em comparação com outros países, estamos atrás. Em dez anos de pesquisas feitas com cinco vezes mais pessoas do que as entrevistadas pela equipe da Uerj, Austin (Texas), nos EUA, contou apenas dois suicídios.

Em outro trabalho, feito pela Fiocruz com mais de dois mil agentes, foi revelado que 36% dos policiais militares e 25% dos civis do Rio apresentam sofrimento psíquico. Eles relataram ansiedade, nervosismo, depressão e pensamentos suicidas, entre outros sintomas. “Esses números estão acima dos das outras profissões”, afirma Patrícia, uma das autoras da pesquisa. De acordo com ela, os casos são mais comuns entre aqueles com mais de 10 anos de carreira, que estão cansados, estressados e já vivenciaram as péssimas condições de serviço.

A própria Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro possui uma análise indicando que membros das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) nas favelas mais violentas dentre as que possuem essas bases – Nova Brasília, Parque Proletário e Vila Cruzeiro, no Complexo do Alemão – têm mais distúrbios. Dentre os homens e mulheres da lei que colocam a vida em risco diariamente em zonas conflagradas, cerca de 3 em cada 4 são acometidos por sofrimento psicológico. “Estamos falando de uma área com indicadores parecidos com os da África subsaariana, há muitos riscos que podem gerar um transtorno emocional”, diz o coronel Rodrigues.

No fim de julho, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgou estatísticas que podem ajudar a mapear os motivos. De acordo com a entidade, 76% dos policiais já sofreram ameaças e 70% possuem colegas que foram assassinados. A preocupação vai além da própria vida, com 76% acreditando que suas famílias podem ser alvos. Para se proteger, boa parte evita transporte público e esconde o distintivo. A maioria sente falta de equipamentos de proteção e não se vê apoiado pelo comando e pela sociedade. “O policial se sente sozinho e desamparado, e esse estado de alerta constante é altamente prejudicial”, diz coronel Rodrigues.

Não se pode mudar de imediato as condições nas quais esses agentes trabalham, mas é necessário criar mecanismos para atender aqueles que relatarem problemas, afirmam os especialistas. Algumas polícias, como as de São Paulo e do Rio, possuem programas de assistência psicológica em execução ou implantação. O assunto ainda é tabu entre as forças de segurança. O número dos que admitem seus distúrbios é baixo. “É necessário criar uma rede em que os próprios colegas aprendam a reconhecer um sinal transtorno e encaminhem aqueles que precisam de ajuda para tratamento”, afirma Dayse Miranda.

5 comentários:

  1. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    ResponderExcluir
  2. Graças aos representantes dos Direitos Humanos (hipócritas), a Segurança Pública do Rio de Janeiro está em crise.

    ResponderExcluir
  3. Policiais Militares do Estado do Rio de Janeiro que exercem a profissão há mais de 10 (dez) anos são "heróis"!

    A carreira precisa ser mais valorizada, mais respeitada e mais prestigiada pela sociedade, pois trata-se de uma área essencial!

    ResponderExcluir
  4. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna. Os Policiais Militares do Rio de Janeiro morrem por um vencimento inferior ao Salário Mínimo Necessário!

    O Salário Mínimo Necessário foi calculado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) em R$ 3.377,62 (três mil, trezentos e setenta e sete reais e sessenta e dois centavos) no mês de Maio de 2015, de acordo com o inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988 ("salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo").

    http://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html

    O adicional de periculosidade para profissionais de segurança pública foi aprovado!

    A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 193/15, que garante aos integrantes do sistema de segurança pública de todo o País o adicional de periculosidade. Pelo texto, cada estado vai estabelecer o valor do adicional, desde que observado um percentual mínimo de 30% sobre a remuneração total. Acrescido dos 30% de Adicional de Periculosidade (R$ 1.013,28), o valor do Piso Salarial da categoria deveria ser fixado em R$ 4.390,90 (quatro mil, trezentos e noventa reais e noventa centavos). O menor vencimento deve ser igual ou superior ao referido valor.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." NÃO HÁ JUSTIFICATIVA PARA OS BAIXOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES MILITARES NO RIO DE JANEIRO! POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA.

    ResponderExcluir
  5. "Quando o Estado abandona seus servidores, deixando-os à mercê do outro lado, é porque, muito provavelmente, o Estado está do outro lado"

    Giovanni Falcone, Juiz italiano especializado em processos contra a máfia siciliana Cosa Nostra.



    "Uma sociedade é livre na medida em que propicia o choque de opiniões e confronto de idéias. Desses choques e confrontos nasce a Justiça e a Verdade, garantido o progresso e auto-reforma dessa sociedade".

    Stuart Mill



    “A injustiça que se faz a um é uma ameaça que se faz a todos”.

    Barão de Montesquieu



    "Aqueles que planejam o mal acabarão mal, porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade"

    Provérbios 12.20

    ResponderExcluir