quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Jovem simula assalto em brincadeira com amigo e é morto por policial militar

O soldado da Polícia Militar André Felipe Aguiar Rebello, de 25 anos, é acusado de matar com um tiro no pescoço o jovem Wallace de Souza Gilio, de 22. O rapaz fingia assaltar um colega na noite de terça-feira, no Engenho de Dentro. O policial deve responder por homicídio doloso (quando há a intenção de matar).

Lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), o militar se apresentou espontaneamente na Delegacia de Homicídios da Capital (DH), e por isso, responde em liberdade.


Especialistas divergem sobre ação de PM que acabou em morte em brincadeira


O Cononel Paulo Cesar Lopes , ex-comandante do 15º BPM (Duque de Caxias) elogiou a ação do policial. "Tem que avaliar o caso concreto. Mas está configurada a legítima defesa. Ele imaginou que o jovem iria praticar o roubo. E se o jovem estivesse armado e atirado no policial? Quem já trabalhou de forma operacional, sabe como é o clima de insegurança plena nas ruas. Ele atuou com legitimidade", disse". O coronel discorda dos rumos da investigação da Polícia Civil. O soldado deve responder por homicídio doloso ( quando há a intenção de matar).  "Quem avalia isso fica atrás da mesa no ar condicionado e não conhece as ruas", definiu o ex-comandante, que excluiu 55 policais e puniu mais de 1000 em dois anos e oito meses de comando do batalhão


O especialista em segurança pública, Paulo Storani, no entanto, discorda da ação do PM. Para ele, os policiais militares do Rio estão com um quadro de "collapso psicológico"  "É óbvio que está errado, o PM extrapolou. Faltou atenção dele. Agora, tem que saber o que o levou a agir dessa forma. A verdade é que a polícia entrou num colapso psicológico onde confundem arma com macaco hidráulico e skate. Trabalham sob tensão", disse.

20 comentários:

  1. Parabéns ao senhor Cononel PM Paulo Cesar Lopes pela brilhante explicação!

    Só pode julgar um Policial Militar quem é Policial Militar!

    Paulo Storani, você não sabe nada! Especialista é quem veste a farda da PMERJ. O resto é leigo!

    ResponderExcluir
  2. POLÍCIA DE VERDADE É A POLÍCIA MILITAR!

    ResponderExcluir
  3. A POLÍCIA CIVIL NÃO SABE NADA DE RUA, NÃO FAZ NADA SEM A POLÍCIA MILITAR!

    ResponderExcluir
  4. A Polícia Civil interpretou o fato de maneira errada, ou seja, não aplicou a lei ao caso concreto!

    É um caso de LEGÍTIMA DEFESA PUTATIVA!

    É quando alguém erroneamente se julga em face de uma agressão atual e injusta, e, portanto, legalmente autorizado à reação que empreende” (Nelson Hungria).

    Paulo Storani precisa estudar um pouco de Direito!

    ResponderExcluir
  5. A PCERJ QUER RASGAR A LEI???

    ResponderExcluir
  6. NINGUÉM DEVE BRINCAR DESSA FORMA, FINGINDO QUE ESTÁ PRATICANDO UM CRIME!!

    O PM NÃO ERROU!!!

    ResponderExcluir
  7. É, aplicaram a lei de forma errada!

    Se depender da Polícia Civil, a sociedade está ferrada!

    ESSE PM É MAIS UM HERÓI INJUSTIÇADO!!!

    ResponderExcluir
  8. GRAÇAS À DEUS, QUEM JULGARÁ O POLICIAL MILITAR NÃO É A POLÍCIA CIVIL!!!

    O PM NÃO SERÁ CONDENADO, POIS NÃO HOUVE CRIME!!!!!

    ResponderExcluir
  9. Especialista em segurança pública? "Tá SERTO"!

    ResponderExcluir
  10. Paulo Storani não sabe nada de PMERJ, só falou besteira! Não o conheço como NADA!

    Especialistas são os Policiais Militares do Rio de Janeiro, verdadeiros heróis!

    Eu convido esses PSEUDOESPECIALISTAS a vestirem a farda da PMERJ nas ruas...

    NUNCA SERÃO!!!

    ResponderExcluir
  11. Paulo Storani é P.I. e viajou na maionese!

    ResponderExcluir
  12. SE ESSE EX-PM FOSSE BOM, TERIA CONTINUADO NA PMERJ.

    FALAR É FÁCIL, DIFÍCIL É CONTINUAR VESTINDO A FARDA ATÉ COMPLETAR 30 ANOS DE SERVIÇO!

    ResponderExcluir
  13. REALIDADE x FICÇÃO
    PMERJ x ESPECIALISTAS

    ResponderExcluir
  14. Falar é fácil, permanecer na corporação é difícil, não é?

    ResponderExcluir
  15. Discordo do Paulo Storani, errado é fazer essa brincadeira (fingir que está praticando um crime)!

    ResponderExcluir
  16. Especialista??? Que piada é essa???

    ResponderExcluir
  17. Todo policial metido a intelectual, é na verdade um frouxo que não assume a sua frouxidão.
    No caso desse bosta que se intitula especialista em segurança pública, nunca foi policial, não tenho nem o que dizer desse merda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, não tem experiência nenhuma, não sabe o que é trabalhar na rua vestindo a farda!

      Excluir
    2. Tropa da PMERJ está desmotivada e insatisfeita, pois o salário do Policial Militar é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas.

      Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo.

      Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância.

      A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.000,00 (oito mil reais) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais.

      POLICIAL MILITAR DESMOTIVADO SIGNIFICA SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA! "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER."

      Excluir
  18. Os pais são responsáveis por futuros autores de crime, pois não deveriam gerar filhos quem não queria dar-se ao trabalho de criá-los e educá-los. Me impressiona a hipocrisia da Rede Globo, pois a inversão de valores é a maior produção de todos os tempos da televisão brasileira. O Policial Militar precisa ser valorizado como herói e a Polícia Militar precisa ser fortalecida, não pode ser enaltecida apenas nas vitórias, mas respeitada principalmente nas derrotas.

    ResponderExcluir