quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

GRANDE DEMANDA NO SETOR DE PSICOLOGIA DA PMERJ

EM 2014 : 9.321 PMS  PRECISARAM DE AUXÍLIO PSICOLÓGICO



Segundo o comandante do Núcleo Central de Psicologia da Polícia Militar (PM), tenente-coronel Fernando Derenusson, em 2014, 9.321 policiais precisaram de auxílio psicológico, o que representou um aumento de 2.301 atendimentos em relação a 2013. Atualmente, a PM também conta com 718 agentes licenciados para tratamentos psiquiátricos. "Percebemos uma grande demanda no setor de psicologia. Acredito que seja necessário tornar obrigatório o apoio desses especialistas aos policiais que sofreram algum tipo de agressão", afirmou o tenente-coronel. As informações foram repassadas durante reunião, nesta quarta-feira (02/12), da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) destinada a apurar as causas do grande número de mortes e incapacitações de profissionais de segurança pública. 

O presidente da CPI, deputado Paulo Ramos (PSol), defendeu a reformulação da política de segurança pública. "Além do grande número de mortes de policiais, a PM do Rio tem muitos trabalhadores que sofrem distúrbios mentais. A pressão sobre esses agentes é enorme e fruto de uma política centrada na guerra e na morte", declarou o deputado.

Segundo o chefe da Diretoria de Assistência Social (DAS) da PM, coronel Jorge Ricardo da Silva, a instituição presta atendimento social às famílias e aos policiais vitimados. A DAS também dispõe de transporte gratuito para levar os agentes aos hospitais e presta assessoria jurídica aos policiais que sofreram agressões. 

Durante a reunião, a cúpula da PM também anunciou a criação de uma nova sede para o Centro de Perícia da Saúde, previsto para ser instalado no Campo dos Afonsos, na Zona Oeste do Rio. Atualmente, a perícia é localizada em uma parte do Hospital Central da Polícia Militar (HCPM).

2 comentários:

  1. A Polícia Militar precisa ser valorizada e fortalecida, pois POLICIAIS MILITARES DESMOTIVADOS significa SEGURANÇA PÚBLICA AMEAÇADA. Vale lembrar que o Rio de Janeiro sediará os Jogos Olímpicos de 2016, sendo o reconhecimento pecuniário indispensável, imprescindível para melhorar a qualidade do serviço policial-militar.

    Nas sociedades capitalistas é comum que o valor de um indivíduo seja aferido através do seu poder de compra, e isso tem muito a ver com seus rendimentos – a quantidade de dinheiro que ele consegue adquirir em determinado espaço de tempo. O salário do Policial Militar do Rio de Janeiro é incapaz de atender às suas necessidades vitais básicas (previstas no inciso IV do artigo 7º da Constituição Federal de 1988).

    Não é à toa que, falando de valorização dos policiais brasileiros, sempre se remete à questão salarial como um problema sério, pois além de garantir elementos essenciais para a sobrevivência, “ganhar bem” concede ao profissional um posicionamento social de relevância. Todo mundo quer maior qualidade na segurança pública, mas para melhorar a qualidade será imprescindível melhorar a questão salarial, ou seja, valorizar o Policial Militar com uma remuneração digna.

    A PMERJ pode reclamar bastante dos seus vencimentos, pois são inadequados para as funções exercidas. Os baixos salários desmotivam a tropa e criam desinteresse pela profissão. Um Soldado de Polícia Militar em início de carreira deveria receber vencimentos iniciais de R$ 8.612,50 (oito mil, seiscentos e doze reais e cinquenta centavos) mensais, para uma jornada de trabalho de até 144 horas mensais. A questão salarial impacta diretamente na autoestima dos Policiais e na valorização das Polícias.

    Os baixos salários fazem a PMERJ perder oficiais e praças. O idealismo vai esmorecendo, pois já não encontra-se mais comandantes com "C" maiúsculo, dignos de orgulho de seus comandados e os vencimentos não são suficientes para dar uma vida digna à família. A tropa da PMERJ está desmotivada, insatisfeita e tem VERGONHA DO SALÁRIO! Não há justificativa para os BAIXOS SALÁRIOS.

    "QUEM VIVE PARA PROTEGER, MERECE RESPEITO PARA VIVER." O Policial Militar precisa ser valorizado como herói! Em contrapartida, a Polícia Militar deveria acabar definitivamente com a Promoção de Praças por Tempo de Serviço! As Promoções devem ser conquistadas mediante aprovação em concursos internos para o CFC, o CFS e o CAS, bem como a conclusão de um Curso de Ensino Superior. Os Policiais Militares que já concluíram o 3º Grau deveriam receber um acréscimo no salário, como é feito na Guarda Municipal do Rio de Janeiro. Quem se qualificou tem que ser premiado. É a única forma de incentivar o estudo, a qualificação.

    ResponderExcluir
  2. O que o coronel Jorge Ricardo da Silva, fala que a instituição presta atendimento social às famílias e aos policiais vitimados. A DAS também dispõe de transporte gratuito para levar os agentes aos hospitais e presta assessoria jurídica aos policiais que sofreram agressões.
    E TUDO MENTIRA, EU E A MINHA FAMILIA PRECISAMOS DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICOS PERDEMOS NOSSO ENTE QUERIDO E EM NENHUM MOMENTO TIVEMOS ESSE AUXILIO.

    ResponderExcluir