terça-feira, 12 de abril de 2016

Governo do estado não vai pagar aposentado com benefício acima de R$ 2 mil

Aposentados e pensionistas do Estado que recebem benefícios líquidos superior a R$ 2 mil não receberão nada no dia 14. Foi o que ficou definido na reunião desta terça-feira, no Palácio Guanabara, entre técnicos da Fazenda, do Planejamento e membros da Casa Civil. A previsão é que o dinheiro desses servidores seja repassado até o dia 12 de maio. Ao todo, segundo números do governo, 137 mil pessoas terão benefícios atrasados.
A escolha do governo é de pagar os ativos do estado. Todos, sem restrição de categoria, terão seus salários depositados integralmente. Inativos com benefícios inferiores a R$ 2 mil líquidos também receberão na data marcada. O desembolso total do Estado para o pagamento de 328.202 pessoas será de R$ 819 milhões.
A ideia do governo foi de priorizar quem está na ativa, tentativa esta de amenizar os ânimos dos servidores. Desde o dia 6 de abril, mais de 30 categorias aderiram a uma greve geral que atrapalha o funcionamento de diversas áreas do Estado.
Confira o trecho do comunicado do governo que fala sobre a decisão
O Governo do Estado do Rio de Janeiro vai pagar integralmente, na próxima quinta-feira (14/4), de acordo com o calendário previsto, a folha de março dos 216.990 servidores ativos do Poder Executivo. Também receberão integralmente 111.212 servidores inativos e pensionistas que têm salários líquidos de até R$ 2 mil, o que corresponde a 45% do total dos inativos e pensionistas. O desembolso total do Estado para o pagamento de 328.202 pessoas será de R$ 819 milhões.
Na próxima segunda-feira (18/4), o estado quitará o 13° salário, com o valor corrigido de 1,93% - índice superior à inflação mensal. O valor total a ser depositado é de R$ 130 milhões. Na última quinta-feira (7/4), o Estado pagou os 13.139 funcionários que recebem até o quinto dia útil do mês, desembolsando R$ 72,7 milhões.
Os 137 mil servidores inativos e pensionistas, que recebem acima de R$ 2 mil líquidos, terão seus vencimentos depositados até o dia 12 de maio. A medida foi adotada devido ao agravamento da crise econômica e à consequente escassez de recursos. Os salários do governador, vice-governador e secretários de Estado não serão pagos nesta quinta-feira junto com os demais servidores ativos do Poder Executivo. A previsão é de que eles recebam também até o dia 12 de maio, junto com os demais aposentados e pensionistas.
O governo do estado destaca que há um déficit previsto em seus cofres de R$ 19 bilhões este ano. Deste total, R$ 12 bilhões são relativos à previdência dos servidores. Entre 2007 e 2016, a folha de pagamento de aposentadorias e pensões cresceu mais de 200%.
As receitas das contribuições previdenciárias este ano serão de R$ 4,9 bilhões. Já as despesas com o pagamento de aposentadorias e pensões dos servidores somam R$ 17,2 bilhões. Portanto, o déficit é de R$ 12,3 bilhões. A diferença ao longo dos últimos anos vem sendo coberta, na sua maior parte, pelas receitas de royalties e participações especiais que o Estado do Rio recebe pela exploração de óleo e gás natural. Com a queda brusca do preço do petróleo e dos royalties, o fundo de previdência estadual – Rioprevidência - depende cada vez mais dos recursos do Tesouro. O cenário financeiro do estado, portanto, se agrava diante da forte redução das receitas de participações governamentais, anteriormente destinadas ao gasto previdenciário.

JORNAL EXTRA

2 comentários:

  1. É uma covardia, meu marido reformou não podendo prover. Ou seja não pode trabalhar e perde seus direitos por causa da ganância de pessoas corruptas, e que não vão perder noites de sono por ele. Quem será por nós?

    ResponderExcluir
  2. Senhor Deus dos desgraçados!
    Dizei-me vós, Senhor Deus!
    Se é loucura… se é verdade
    Tanto horror perante os céus?!
    Ó mar, por que não apagas
    Co'a esponja de tuas vagas
    De teu manto este borrão?…
    Astros! noites! tempestades!
    Rolai das imensidades!
    Varrei os mares, tufão!

    Quem são estes desgraçados
    Que não encontram em vós
    Mais que o rir calmo da turba
    Que excita a fúria do algoz?
    Quem são? Se a estrela se cala,
    Se a vaga à pressa resvala
    Como um cúmplice fugaz,
    Perante a noite confusa…
    Dize-o tu, severa Musa,
    Musa libérrima, audaz!…

    São os filhos do deserto,
    Onde a terra esposa a luz.
    Onde vive em campo aberto
    A tribo dos homens nus…
    São os guerreiros ousados
    Que com os tigres mosqueados
    Combatem na solidão.
    Ontem simples, fortes, bravos.
    Hoje míseros escravos,
    Sem luz, sem ar, sem razão…

    - Castro Alves (1847 - 1871)


    ResponderExcluir