domingo, 19 de junho de 2016

O INIMIGO OCULTO: facilidade de acesso a armas preocupa os responsáveis pela segurança da Olimpíada no Rio de Janeiro



OBSERVADOR DO TERRORISMO 

Passava um pouco das 19 horas do domingo, dia 6 de dezembro, quando seis brasileiros tomaram de assalto uma base militar da Bolívia às margens do Rio Madeira, na fronteira com o Estado brasileiro de Rondônia. Os invasores renderam nove soldados bolivianos. Roubaram 11 fuzis AK-47, seis pistolas, uma escopeta, 22 carregadores, 700 cartuchos e celulares. Isolados naquele pedaço da Floresta Amazônica, alguns militares bolivianos chegaram a pensar que o Brasil declarava guerra ao país, disse um policial brasileiro. Durante as investigações, feitas em conjunto pelos dois países, a polícia de Rondônia captou telefonemas nos quais suspeitos falavam do roubo. Prendeu sete pessoas, que percorreram 300 quilômetros do local da invasão até Porto Velho, a capital do Estado. O arsenal foi escondido em um sítio na cidade. As investigações apontam que parte do armamento tinha como destino o Rio de Janeiro. 
O ataque à instalação militar da Bolívia mostra a que ponto chegou a desordem na fronteira do Brasil com países vizinhos. Dessas regiões porosas, dominadas por criminosos, vem o arsenal que traficantes e milicianos ostentam nas favelas do Rio de Janeiro. O que já era um grave problema de segurança pública para a cidade ganhou, agora, contorno mais preocupante. O acesso fácil a armas de guerra ameaça a paz na Olimpíada. "A oferta de armamento ilegal pode facilitar que um eventual 'lobo solitário' obtenha meios que favoreçam a realização de atentados", afirma a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), referindo-se à fauna de extremistas que agem sozinhos. 
Desde o dia 13, a Abin participa de operações contra o tráfico de armas na fronteira. "O nível de risco de atentado no Brasil se elevou recentemente, em comparação com o histórico do país, devido à escalada da ameaça global e do crescimento de adesões de brasileiros a ideologias extremistas", afirma a Abin. Pessoas ligadas ao Estado Islâmico criaram um grupo para divulgar mensagens de extremistas traduzidas para o português. A Abin confirma que eles utilizam o Telegram, um aplicativo de celular. É mais uma preocupação com o recrutamento de jovens brasileiros. Militares, policiais federais e oficiais de inteligência envolvidos nos preparativos de segurança para os Jogos traçaram um perfil dos indivíduos que apresentam risco potencial de ataques terroristas: jovem, sem histórico de criminalidade e sem perspectivas de melhorar de vida no curto prazo. Também estão na mira recém-convertidos ao islamismo, de discurso radical. 

A recuperação do arsenal roubado na Bolívia fugiu à regra. Na maioria das vezes, as armas passam pela fronteira, dentro de carros, caminhões e aviões de pequeno porte, e chegam ao destino final. "É um problema prioritário a ser enfrentado. No dia 12 de maio, antes do meio-dia já tínhamos apreendido três fuzis, todos de fabricação americana", disse o secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, incansável crítico do governo federal pela omissão na fiscalização das fronteiras. Mas as falhas não são só federais. No Rio de Janeiro, traficantes de drogas e milicianos se armam até os dentes para combater quadrilhas rivais que tentam tomar deles o controle das favelas. Enquanto a pacificação dos morros ia bem, os bandidos aposentaram os fuzis porque, com as áreas bem policiadas, bandos rivais não arriscavam invasões. Nos últimos dois anos, abatida pela falta de investimento do governo estadual, a polícia pacificadora vem definhando nas favelas. Os criminosos voltaram a usar o armamento pesado. 
Durante a Olimpíada, o Rio de Janeiro receberá 15 mil atletas de 206 países e mais de 500 mil turistas. Haverá provas de rua e competições em área aberta. Tudo isso torna a segurança mais complexa do que a montada para a Copa do Mundo de 2014. Como reforço, as autoridades decidiram que as Forças Armadas vão patrulhar as principais vias da cidade que cortam favelas dominadas por bandidos. Embora as autoridades brasileiras neguem ter encontrado evidências de uma ameaça, a hipótese de atos terroristas é levada em conta nos preparativos da segurança. Na segunda-feira, dia 13, o Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo, do Ministério da Defesa, foi deslocado para o Rio de Janeiro. Está sendo planejada, ainda, uma campanha de conscientização alertando a população para sinais que podem colocar em risco a segurança pública, como objetos abandonados em locais públicos. 
A circunstância exige vigilância acurada? Certamente. Porém, não há motivo para pânico. Não há indicativo consistente que extremistas estejam planejando algo semelhante para os Jogos do Rio de Janeiro. Todo cuidado é bem-vindo, mas sem alarmismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário