quarta-feira, 6 de julho de 2016

Alerj quer explicações sobre acordo com facção


Acusado, secretário de Administração Penitenciária garante que vai à audiência

A Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa (Alerj) quer explicações do secretário de Administração Penitenciária (Seap), Erir Ribeiro da Costa Filho, sobre a proposta de negociações com a facção criminosa Comando Vermelho (CV) para manter a paz nas cadeias. A acusação foi feita pelo juiz titular da Vara de Execuções Penais (VEP), Eduardo Oberg, como O DIA publicou ontem com exclusividade. Erir e Oberg serão convidados para participar de audiência pública na semana que vem.

Oberg também declarou que Erir era contra a transferência para presídios federais de 15 detentos do Complexo de Gericinó, em Bangu. Eles comemoraram o resgate de Nicolas Labre de Jesus, o Fat Family, dia 19, no Hospital Souza Aguiar. Todos são integrantes do CV. Entre eles, está Edson Pereira Firmino de Jesus, o Zaca, tio do Fat Family ainda foragido da Justiça.

“Tenho profundo respeito por Erir, mas tem algo estranho. A transferência de criminosos perigosos sempre foi uma estratégia da segurança pública testada e aprovada”, afirmou a presidente da Comissão, Martha Rocha, do PDT.

Segundo Martha, os convites a Erir e Oberg serão decididos em reunião extraordinária. “São sete membros, mas quatro já declararam que querem ouvir as explicações do secretário e do magistrado. Queremos a audiência o mais rápido possível”.

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária informou que, em sendo convocado, o secretário irá comparecer à audiência. Já a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça alegou que o juiz não se pronunciaria.

Enquanto as declarações de Oberg repercutiram na Alerj, no governo do estado imperou o silêncio. Em nota, a assessoria do Palácio Guanabara afirmou que o governador em exercício, Francisco Dornelles, não se pronunciaria sobre o assunto. A fuga de Fat Family também expôs as autoridades de segurança. A PM foi alertada com antecedência, mas não tomou providências suficientes para impedir o resgate do criminoso.

“Esse absurdo é um reflexo da incompetência das autoridades”

Vice-presidente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado na Câmara dos Deputados, Ezequiel Teixeira (PTN-RJ) vai pedir à Polícia Federal para investigar a tentativa de acordo do governo do Rio com o poder paralelo. “Parabenizo o magistrado pela coragem na indignação com o referido ato. E espero que o Ministério Público investigue com rigor todas as denúncias”, declarou.

Teixeira sustenta que qualquer tentativa de acordo com bandidos é uma afronta à população e a democracia. “Esse absurdo nada mais é do que reflexo da incompetência conhecida das autoridades de segurança do nosso estado”, analisou. O parlamentar faz questão de ressaltar que a atitude de Erir Ribeiro Costa Filho para se reunir com uma comissão de presidiários, com o conhecimento do secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, como retrata o questionamento do magistrado, é inconcebível.

Em entrevista publicada ontem, o juiz Eduardo Oberg anunciou que pedirá ao MP para apurar irregularidades na nomeação de dez diretores sem curso superior em unidades feitas por Erir. A Seap rebateu alegando que um inquérito já foi instaurado e arquivado no MP pelo mesmo assunto por falta de fundamento para propositura de ação civil pública.

Nenhum comentário:

Postar um comentário